Ouvidoria Geral do Estado vai
atender os
bairros da periferia da capital

A sociedade vai ter a oportunidade de interagir mais com os órgãos públicos do Estado com a ampliação do acesso aos serviços oferecidos pela Ouvidoria Geral do Estado. O projeto “Ouvidoria Itinerante” pretende estender os serviços prestados pelo órgão aos bairros periféricos da capital.

A reestruturação da Ouvidoria é uma das principais metas do atual Ouvidor Geral do Estado, o bacharel em direito e advogado Oton Miranda Alencar. O projeto, segundo ele, está previsto para começar ainda no primeiro semestre de 2003. Outra novidade será a extensão do serviço da Ouvidoria Geral para os demais municípios.

A Ouvidoria Geral tem a responsabilidade de receber criticas, reclamações e sugestões sobre a prestação de serviços públicos oferecidos pela administração estadual. As principais denúncias recebidas pela instituição são referentes ao atendimento nas áreas de saúde, segurança pública e educação, justamente os setores com maior demanda de serviço oferecido à população. As reclamações que chegam ao órgão são transformadas em processos e analisados pelos ouvidores adjuntos. Passado essa etapa o processo é enviado para o Gestor de Relações Administrativas (GRA) do órgão reclamado para que sejam feita a correção, adequação ou melhoria do serviço ou mesmo apuração de responsabilidades no caso de falta grave de algum servidor público.

Oton Miranda disse também que a Ouvidoria irá agir com mais rigor no acompanhamento dos processos, já que uma análise mais profunda detectou que vários processos encaminhados aos órgãos reclamados foram extraviados ou arquivados sem critérios sólidos. A idéia é instruir a instalação de inquéritos administrativos e se necessário acionar até o Ministério Público.

Miranda entende que somente a partir de uma ampla divulgação dos serviços que a Ouvidoria presta à comunidade, principalmente nos bairros mais afastados do centro urbano é que as pessoas passarão a exercer plenamente o direito de cidadania.

O orçamento anual da Ouvidoria Geral previsto para este ano é de R$ 348 mil mas o órgão terá que contingenciar esses recursos em 30% conforme orientação da Secretaria do Planejamento. A verba que deve ficar disponível em 2003 é de R$ 224 mil. O recurso será destinado a compra de equipamentos, móveis, manutenção de serviços e aluguel de veículos, entre outros.

Qualquer cidadão ou cidadã poderá usar os serviços da Ouvidoria para denunciar negligência ou mau atendimento nas atividades públicas que o Governo do Estado oferece. “Desta forma, as pessoas estarão ajudando o executivo a melhorar tais serviços”, diz Oton Alencar.

O contato com a Ouvidoria pode ser feito sem nenhum custo para os usuários pelo serviço “Alô Cidadão”: 0800-2809010. Os outros telefones são: 212 - 1201/ 212 - 1203/ 212 - 1206 (FAX).

EDY WILSON SILVA



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.