Deputado Helio Esteves convida o Ministro dos
Transportes a visitar o Amapá

O deputado federal Hélio Esteves do PT - AP, que integra a Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, convidou o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, a visitar o Estado do Amapá. O ministro confirmou a visita para o dia 31 deste mês.
O convite do deputado Hélio Esteves foi feito dia 19 durante a audiência do ministro na Comissão de Viação e Transporte de onde o deputado é titular.na ocasião, o ministro destacou os trabalhos que estão sendo desenvolvidos e as medidas adotadas para melhorar o setor:

* O Ministério tem um plano de recuperação de 7.000 Km de rodovias, com um investimento de 2 bilhões de Reais, até o final de 2004;
* Que até o final de 2005 pretende recuperar mais 11.000 Km;
* Serão feitos investimentos de 6 bilhões de reais em 4 anos, com a recuperação de todas as estradas nacionais;
* Será efetuada a liquidação de 1,2 bilhões de reais em dívidas de exercícios anteriores, até o final do governo;
* Será feita a liberação de 700 milhões de reais para pagamento destas dívidas ainda este ano, o que beneficiará mais de 300 empresas, e gerará mais de 200 mil empregos diretos e indiretos;
* O ministério comprometeu-se em liberar todos os recursos das emendas parlamentares para os Estados até julho deste ano.

Quanto a liberação dos recursos das emendas, o deputado Hélio Esteves solicitou atenção para as demandas da bancada federal do Amapá, em especial para a BR 156 e porto de Santana.

O deputado solicitou também alocação de recursos para implementação de cartas náuticas digitalizadas para o canal norte do Rio Amazonas, o que facilitará a navegação fluvial.

Hélio Esteves propôs a implantação em Santana, de uma estação de tratamento de águas de lastro com a finalidade de tratar a água trazida nos porões dos navios estrangeiros que chegam pelo rio Amazonas. Essas embarcações deverão descarregar a água trazida nos porões na estação de tratamento no Porto de Santana e só então seguir viajem no Rio Amazonas.

O parlamentar lembra que a reestruturação do porto de Santana tornará possível o descarregamento dos navios estrangeiros que estiverem trazendo
produtos para os estados amazônicos, distribuindo a carga destes por navios menores que farão a divisão da carga pelo canal norte do Rio Amazonas. Tal medida trará diversas vantagens, entre estas:
* Baixa no custo final do transporte, pela diminuição do custo dos seguros dos navios estrangeiros, para poderem navegar Rio Amazonas adentro:
* Redução de danos ambientais pela utilização de embarcações menores e mais adequadas aos rios amazônicos;
* Crescimento da industria naval (e conseqüente incremento do número de empregos e desenvolvimento tecnológico na região) pelo aumento da frota especializada para transporte das cargas descarregadas no Porto de Santana.
* Aquecimento da navegação de Cabotagem;
* Aquecimento da economia do Estado do Amapá;
* Barateamento do custo de transporte para a soja da Amazônia e outros produtos;
* Venda de logística portuária para os estados da Amazônia e até para a Guiana Francesa;

O Porto de Santana, o asfaltamento da BR 156 e a construção da ponte sobre o Rio Oiapóque, continua o parlamentar, tem importância muito grande para a logística de transporte do Brasil na Região Amazônica. O Porto ao ser interligado através da BR 156 com a Guiana Francesa terá um significado comercial estratégico de interligação do Mercosul com a União Européia, já que a Guiana Francesa pertence a França, que faz parte da Comunidade Econômica Européia (CEE).

Argumentou também que, uma vez reestruturado o Porto de Santana, entre outras atividades, é possível a venda da logística deste para a Guiana Francesa, pela integração daquela estrutura portuária à BR 156 (que liga o estado do Amapá a Guiana Francesa), dado os recorrentes problemas de assoreamento registrado naquele porto Francês.

O Ministro compreendeu a importância do Porto de Santana e da BR 156 (e da construção da ponte), mas objetou que existe uma pendência, no que tange às reformas do Porto, administrado pelo município de Santana, junto ao Tribunal de Contas da União, o que impossibilita a liberação de verbas para obras no Porto neste momento. Recomendou então que houvesse um esforço conjunto dos parlamentares e governos Municipal e Estadual para vencer tal situação. Em relação ao asfaltamento da BR 156, e a construção da ponte, o Ministro se comprometeu com liberação dos recursos orçamentárias, além de empenhar esforços pessoais para a concretização dos mesmos.

O Deputado Hélio Esteves alertou o senhor Ministro não apenas para vencer as exigências ambientais para a pavimentação da estrada, como também pediu ao Ministro que tivesse atenção ao trecho no município de Oiapóque que passa por dentro de reserva indígena. O ministro solicitou que o Deputado auxiliasse o Ministério nos estudos que se fizessem necessários.
Prontamente o Deputado se colocou à disposição tanto do Ministério quanto das comunidades indígenas.

O Parlamentar Amapaense lembrou ao Ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, do compromisso assumido pelo Presidente Lula junto ao Presidente da França, Jacques Chirac, para a construção conjunta da citada ponte sobre o Rio Oiapóque, interligando o estado do Amapá com a Guiana Francesa, através da BR 156.

O ministro informou já existir uma equipe técnica do ministério buscando entendimento com os técnicos do Governo Francês para a efetivação do projeto e realização da obra, já tendo inclusive encontros entre as duas equipes na França para definir os parâmetros.


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.