Categorias profissionais
estimuladas a doar sangue

De hoje até o próximo dia 30 o Hemoap (Instituto de Hematologia e Hemoterapia do Amapá) estará desenvolvendo programação especial para marcar a passagem do Dia do Doador de Sangue, comemorado no dia 25 de novembro. A Semana do Doador de Sangue foi aberta com uma missa de ação de graça realizada no auditório do próprio instituto.

A partir de amanhã até o próximo dia 28, as doações voluntárias estarão abertas para a comunidade em geral. Na sexta-feira, 29, acontece mais um projeto “Doa Mulher” quando estarão sendo recebidas doações tanto de profissionais femininas como também de mulheres da comunidade.

O encerramento da programação será no sábado na sede da Aerc (Associação Esportiva e Recreativa CEA), a partir das 9h, com a realização de torneios esportivos, entrega do troféu de honra ao mérito à categoria vencedora da gincana, culminando com a realização da Festa do Doador.

De acordo com a assistente social Dulce Rosa, do instituto, o ponto alto dessa programação será a gincana que pretende envolver profissionais de várias áreas.

“A Gincana das profissões tem como objetivo básico estimular o profissional de Direito, Medicina, Magistérios, Imprensa e outras categorias a esta prática de solidariedade que contribui e muito para salvar vidas. Por isso a importância de que cada pessoa seja um doador voluntário de sangue”, afirmou.

A gincana estará aberta a participação dos interessados durante toda a semana. A assistente social do Hemoap adiantou que será considerada vencedora a categoria que fizer mais doações.

Dulce Rosa explicou também que a idéia da gincana nasceu depois que foi detectado que a grande maioria dos doadores de sangue no Amapá, são pessoas de nível médio. Pouquíssima tem sido a contribuição de quem possui nível superior, apesar das pessoas que se enquadram nessa faixa de escolaridade, teoricamente serem mais esclarecidas.

Dulce Rosa confirmou ainda que caiu muito as doações voluntárias depois que as empresas de ônibus conseguiram derrubar o passe-livre ao doador de sangue nos coletivos. “Infelizmente essa é uma realidade que estamos tendo que enfrentar agora. Antes, quando o passe-livre ainda estava valendo o volume de doações era bem maior do que estamos conseguindo depois que a gratuidade deixou de existir”, disse.

Para reverter esse quadro e conseguir manter o estoque de sangue, principalmente para o período do fim de ano, o Hemoap vai aproveitar a Semana do Doador de Sangue para conscientizar a sociedade sobre a necessidade de existir um estoque permanente de sangue sempre disponível. “É bom frisar que pessoa que está doando sangue, com está atitude voluntária e solidária, poderá estar salvando amanhã a vida de um amigo seu ou até mesmo de algum parente”, frisou.

Para doar sangue é necessário que o interassado tenha entre 18 a 60 anos, peso mínimo de 50 quilos e estar bem de saúde. No dia da doação, a pessoa deve ter tido repouso de no mínimo 6 horas. “Não precisa estar em jejum, apenas evitar alimentos gordurosos. Doar sangue não engorda, não emagrece nem afina o sangue. A quantidade retirada não chega a 500 ml, não faz mal algum à saúde. E além de salvar vidas, a pessoa que doa sangue ainda faz um chek up na saúde com uma bateria de exames, gratuitamente”, esclareceu.

Joel Elias



Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.