Governo anuncia construção de
1,4 mil casas em Laranjal do Jari

O governador do Amapá, Waldez Góes (PDT) anunciou investimento de R$ 10 milhões na construção de 1,4 mil casas populares em Laranjal do Jari (270 quilômetros da capital). A construção dos imóveis começará em 90 dias e deverá gerar até 3 mil empregos. Laranjal do Jari tem população estimada em 45 mil habitantes, a terceira maior do Estado.

O projeto de iniciativa do Governo do Estado recebe investimento da Caixa Econômica Federal (CEF), que irá custear 55% da obra, cabendo ao Executivo a contrapartida de 45% do total de recurso a ser aplicado. O convênio entre o Governo do Estado e a Caixa Econômica foi assinado pelo governo e a superintendência da CEF em Laranjal do Jarí no domingo.

A intenção é levar o Programa de Subsídio Habitacional (PSH), da Caixa Econômica para outros municípios do Estado, que também enfrentem problemas de déficit habitacional. “É a primeira vez que o Estado implenta esse tipo de programa com verbas da Caixa Econômica”, comemora o governador.

Durante a ação “Governo e Você - Movimento Cidadão”, na Escola Estadual Mineko Hayashida, os técnicos do Instituto de Terras do Amapá (Terrap), fizeram a confirmação de cadastro das famílias beneficiadas com a doação dos loteamentos.

Gervásio Oliveira, secretário de Estado da Infra-Estrutura (Seinf), garante que se trata de famílias que hoje residem na maioria em condições sub-humanas e até mesmo de risco, todas vítimas da maior enchente registrada na história do Rio Jari há cerca de 2 anos.

Gervásio aproveitou para destacar que a Seinf trabalha também a reforma das Escolas Nazaré Rodrigues, Mirilândia, Bom Amigo e Sônia Henrique Barreto. O Governo do Estado iniciou também a construção de 2.100 metros de passarela. Além de gerar emprego, os investimentos irão garantir a melhoria da qualidade de vida das pessoas. Como é o caso do carpinteiro, Sebastião Pelas Pires, que estava há um ano desempregado e agora lidera um grupo de trabalhadores responsáveis pela construção de 143 metros de passarela em uma área baixa da cidade. Sivaldo de Nazaré, que também estava há bastante tempo sem serviço, elogiou a ação do governo local, “Tendo trabalho, tem dinheiro e a garantia de termos uma alimentação de melhor qualidade na mesa”.

Para o prefeito da cidade, Reginaldo Brito de Miranda (PSB), os investimentos anunciados pelo governo do Estado são fundamentais para fortalecer a geração de emprego e renda dentro do município. O prefeito garantiu que a Prefeitura Municipal de Laranjal do Jari está disposta a estabelecer novas parcerias.

Waldez se reuniu também com todos os vereadores do município para definir o apoio do Executivo na obra de conclusão do prédio da Câmara Municipal de Vereadores de Laranjal do Jari e ainda com castanheiros e representantes da Cooperativa Mista Agro-Extrativista de Laranjal do Jari (Comaja) e Cooperativa Mista Agro-Extrativista da Reserva do Rio Iratapuru (Comaru), onde reafirmou a intenção de continuar ajudando as cooperativas na condução dos projetos agroindústrias iniciados pelo governo passado, desde que os projetos sejam todos reavaliados e redefinidos de acordo com a proposta do atual governo.


EDY WILSON SILVA



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.