O som da Amazônia: Ibama faz gaita
de madeira e
pesquisa outros instrumentos musicais



Gaitas de madeira amazônica têm performance melhor do que as similares importadas.

Campinas - Nem só de batuques e Carnaval vive a musicalidade brasileira. Novos sons e timbres começam a ser literalmente fabricados em laboratório, em Brasília. Mais precisamente no Laboratório de Produtos Florestais do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (LPF-Ibama), onde, há 8 meses, o físico Mário Rabelo de Souza retomou a pesquisa com madeiras amazônicas para a fabricação de instrumentos musicais.

Hoje, como parte das comemorações de 14o aniversário, o Ibama já lança os três primeiros produtos do LPF, com características físicas testadas por Souza e acústica aprovada pelo músico profissional Pablo Fagundes. São três versões de gaitas, feitas em
parceria com a indústria Hering, com as madeiras açoita-cavalo, ipê e louro. Nos próximos dois anos, devem ser anunciadas novas
alternativas para construir violões, violas, violinos, violoncelos, guitarras, teclas de piano, flautas, clarinetes e xilofones.

Souza já havia trabalhado com a análise de madeiras amazônicas
para instrumentos musicais no antigo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal (IBDF), desde 1993. As pesquisas foram interrompidas por alguns anos e retomadas em 2002, com o objetivo de dar, ao mercado madeireiro, opções de alto valor agregado para uso de madeiras pouco conhecidas ou para pedaços de madeira médios e pequenos, usualmente descartados nos setores mais tradicionais, como o de móveis e construção civil.

"Iniciamos com um universo de 150 espécies de madeira e agora estamos com 400 espécies para serem analisadas, primeiro quanto às suas propriedades físicas, depois em termos de ressonância musical", explica o pesquisador. A seleção leva em conta peso, volume, flexibilidade, elasticidade, dureza, tração, resistência à compressão e cisalhamento (ou deformação durante o corte). Pelo menos 50 espécies são consideradas promissoras e devem ser oferecidas a indústrias e luthiers (fabricantes artesanais de instrumentos musicais) para avaliação, em novas parcerias com o Ibama.

No caso das gaitas, houve uma coincidência, que acabou apressando a pesquisa: o músico Pablo Fagundes formou-se engenheiro florestal, em 2002, apresentando a construção dos instrumentos de madeiras brasileiras como projeto de fim de curso, na Universidade de Brasília, sob orientação de Souza. Segundo ele, as gaitas diatônicas profissionais disponíveis no mercado brasileiro ou são construídas com plástico ou são importadas, feitas com madeira de pereira. "Estas gaitas tradicionais apresentam problemas nas cidades litorâneas brasileiras, de inchamento, devido à maresia e umidade", diz. O inchamento chega a prejudicar a performance do músico e às vezes até deforma o instrumento, se alguns 'dentes' pulam fora do bocal.

As gaitas de madeiras amazônicas foram testadas inclusive quanto à resistência à umidade, apresentando resultados melhores do que as similares importadas. De um universo de 100 espécies de madeira, 10 foram pré-selecionadas para as gaitas, 8 testadas e 3 aprovadas para fabricação. Entre elas, Fagundes percebeu algumas diferenças sutis de timbre, o que talvez resulte na indicação de um tipo de madeira para cada gênero musical, como o açoita-cavalo para tocar blues e ipê para ritmos brasileiros.

"Esta indicação ainda carece de estudos maiores, da opinião de diversos músicos. Vamos colocar os instrumentos na mão de vários gaitistas para confirmar as diferenças", observa o músico, que há 5 anos toca na noite brasiliense, nas bandas Pé de Cerrado, de música brasileira, e Celso Salim, de blues. Pablo Fagundes gravou um CD-Rom com as novas gaitas e se apresenta no lançamento dos instrumentos. Em dois anos, todos os instrumentos musicais feitos com madeiras amazônicas também constarão de um catálogo em CD-Rom, com demonstrações acústicas, para tornar as novas alternativas conhecidas dos fabricantes, incluindo indústrias internacionais.

Liana John


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.