Polícia Militar comemora seus 27 anos

Comemorado nesta terça feira,(26), aniversário de 27 anos de criação da Polícia Militar no Amapá. As comemorações foram marcadas pela confraternização das autoridades com o comando, oficias e a tropa da PM, sendo destacados os bons trabalhos que a corporação vem realizando em todo o Estado. Presente à solenidade, a governadora Dalva Figueiredo saudou os integrantes da corporação e disse que "a PM é motivo de orgulho no Amapá".

Na ocasião, a governadora anunciou que no próximo ano estará denunciando à Corregedoria Geral do Ministério Público Federal o procurador Manoel Pastana, que divulgou uma carta na Internet denegrindo a imagem da governadora com várias ofensas, inclusive afirmando que ela não teria “competência para ser governadora do Estado”. “Esta é uma ação, que não farei como governadora, mas como cidadã comum, independente do cargo. O procurador terá a resposta certa no momento certo”, afirmou.

Segundo Dalva Figueiredo, a hora é de encerrar o governo, passando para o governador eleito certa de que ela contribuiu para o desenvolvimento do Estado do Amapá.

Durante a programação, a governadora participou do encerramento dos jogos internos da Polícia Militar e da conclusão da 2ª turma do curso de aperfeiçoamento de sargentos/2002, que teve a participação de 72 sargentos, sendo 64 policiais militares e oito bombeiros. Entregou também 14 novas viaturas para a corporação, sendo sete motos e sete carros.

História da PM - Oriunda da guarda territorial do extinto Território Federal do Amapá, a PM-AP foi criada no dia 26 de novembro de 1975, através da Lei nº 6.870. regulamentada pelo Decreto nº 79.108 de 11 de janeiro de 1977. A PM, conforme prevê os artigos 82 e 83 da Constituição Estadual é uma Instituição permanente e regular, que tem como missão, a preservação da ordem pública e da paz social, através da execução do policiamento ostensivo fardado em todo o Estado.

O efetivo atual da Corporação é de 2.648 policiais militares no serviço ativo, distribuídos nas diversas unidades operacionais, órgãos de direção geral e apoio.

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.