BARCO "TRIBUNA" REALIZA
PRIMEIRA VIAGEM

O barco "Tribuna - A Justiça Vem a Bordo", dos Juizados Especiais Cíveis da capital está realizando sua primeira viagem nas águas do rio Amazonas, na região arquipélago do Bailique. Construído pelo Tribunal de Justiça, em parceria com a Fundação Banco do Brasil, a embarcação passa a integrar, a partir de agora, o Projeto Juizado Itinerante Fluvial como embarcação própria da Justiça Estadual.

Foram oito horas de viagem tranquila e cheia de curiosidades por parte dos jornalistas que estiveram a bordo do Tribuna para conhecer o projeto realizado pela Justiça do Amapá, dentre eles Ana Cristina Cruz, da Tv Justiça de Brasília; Sara-Jane Hall, da BBC de Londres; Eduardo, Denise Alda e Denise, da Fundação Banco do Brasil, além dos repórteres dos jornais Valor Econômico e da Gazeta Mercantil. Largando às 08:00 hs de domingo, do cais Santa Inês, em companhia de duas outras embarcações, Brisa do Mar e Anaconda, do Governo do Estado, o barco foi aprovado pela tripulação e pelos passageiros que seguiram viagem até aquele distrito.

A viagem do "Tribuna", que conduz a 49ª Jornada Itinerante Fluvial tem uma equipe formada pela Juíza Coordenadora dos Juizados Especiais Cíveis, Sueli Pini, o Juiz Mário Kaskelis, a juíza Larissa Antunes, aprovada no último concurso do TJAP, a promotora Lindalva Gomes Jardina , o defensor público Juarez Carlos e uma equipe de funcionários dos Juizados Especiais, do INSS, do TERRAP e da Prefeitura de Macapá. Integra também esta Jornada Maria Zoé L. Braga - Fundação Banco do Brasil

Ancorado, na Vila Progresso, na segunda-feira, logo cedo, o Juiz Mário Kaskelis inaugurou os trabalhos judiciais a bordo do Tribuna, realizando a primeira audiência entre Reinaldo e Waldirene, que tentavam resolver o problema de pensão alimentícia dos filhos. Durante o dia inteiro, o Tribuna virou a sede dos Juizados Cíveis e Criminais colhendo novas reclamações e encaminhando as partes para as devidas audiências. Sendo a grande atração da 49ª Jornada Itinerante Fluvial, o Tribuna foi visitado durante toda a manhã de ontem pela comunidade local que se deslocou até a embarcação não só com o intuito de ser atendido como para visitar a novo barco.

A 49ª Jornada Itinerante Fluvial acontece por toda essa semana naquela região percorrendo várias localidades, onde atenderá principalmente reclamações e julgará todo tipo de causas ( cíveis e criminais) ali existentes. Seu retorno está previsto para o próximo Sábado.


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.