O Amapá vai mostrar o que tem
na Feira Internacional de Manaus

A feira acontece de 10 a13 de setembro em Manaus. Um dos objetivos do evento é divulgar para o resto do mundo as atividades comerciais e industriais da região, valorizando o potencial de negócios dos nove estados brasileiros da Amazônia Legal (Pará, Roraima, Rondônia, Amazonas, Acre, Amapá, Tocantins, Mato Grosso e Maranhão). O ecoturismo (uma das principais atividades turísticas da Amazônia) será apresentado com destaque no encontro.

Além da participação institucional do Detur, o “trade” turístico, através da iniciativa privada que trabalha o turismo no Estado, promete participar da Feira. “Pretendemos levar os empresários do turismo e ecoturismo no Amapá, para que tenham a oportunidade de mostrar a potencialidade e a infra-estrutura turística da região”, disse Silvia Claudia Campos Isacksson, presidente do Detur no Amapá.

A indústria e o comércio do Amapá também se farão presentes na I Feira Internacional da Amazônia, que permitirá o intercâmbio de informações, rodada de negócios e, sobretudo a divulgação do turismo – mercado que traz divisas e benefícios, quando trabalhado adequadamente.

Para a diretora do Detur, o evento tem um papel fundamental na difusão, divulgação e elaboração de propostas e alternativas para ampliar o setor de turismo na Amazônia. A diretora lembra que o turismo é a “indústria sem fumaça”, cabendo às instituições públicas a responsabilidade de estimulá-lo e à iniciativa privada os investimentos necessários para garantir a melhor recepção aos turistas e visitantes.

Fluxo turístico
Segundo dados do Detur no Amapá, em 2001 o fluxo de pessoas no Estado foi relativo. O fluxo ferroviário chegou a 128 mil, sendo que o maior índice foi em setembro com 18, 6 mil passageiros, e o menor em novembro, 5, 9 mil passageiros. O movimento de embarcação registrou o fluxo de 81, 3 mil passageiros, em julho (mês de férias) foram 15 mil, já em maio caiu para 2,7 mil. As estradas registraram o maior número de visitantes com quase 278 mil. O transporte aéreo ficou com o segundo menor fluxo de passageiros cerca de 222 mil. No terceiro trimestre, o transporte rodoviário registrou o maior fluxo de passageiros do ano inteiro com 82, 3 mil; cerca de 29,6%. No segundo trimestre do mesmo ano, o transporte fluvial registrou o menor número de passageiros 13, 4 mil, o equivalente a 16,5%.

Amazônia
A Amazônia é natureza. E uma marca forte. Essa crença já trilha o caminho de muitas empresas que possuem visão de futuro e procuram agregar valor aos produtos da Região Amazônica, sem comprometer a biodiversidade natural. Assim é a Amazônia competitiva, onde não faltam oportunidades de negócios e vantagens que se multiplicam:

· Incentivos fiscais e a ampliação da atividade industrial; infra-estrutura adequada ao desenvolvimento sustentado;

· Parque industrial moderno;

· Centro científico e acadêmico de pesquisa e formação profissional;

· Disponibilidade de energia; Alta potencialidade de recursos naturais para o uso racional;

· Pólo turístico;

· Sistema logístico rodoviário e hidroviário propício a exportações;

· Localização estratégica próxima aos mercados do Caribe, Pacífico, Estados Unidos, Europa e Ásia.

Esta é a Amazônia que a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) vai apresentar durante a I Feira Internacional da Amazônia. A feira está sob a coordenação geral da Suframa em parceria com o Ministério do Meio Ambiente.

EDY WILSON SILVA

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.