Centro de atendimento
garante agilidade na
solução de problemas


Garantir serviço de qualidade com atendimento rápido e eficiente, é um dos objetivos da Central de Atendimento à População (CAP) inaugurada nesta sexta-feira, 11. A Central contará com mais de 100 funcionários para atender a população com a oferta de vários serviços. No prédio do CAP, o cidadão terá acesso a diversos postos de atendimentos, sem a burocracia que torrna o serviço público um sinônimo de ineficiência. O Amapá coloca a disposição das pessoas um novo modelo de atendimento público. O prédio tem cerca de 1600 m2 de área construída e custo R$ 1,5 milhão..

A integração dos serviços amplia a possibilidade do cidadão, principalmente o menos favorecido, de receber atendimento eficiente.

CAPACIDADE - A Central de Atendimento à População terá capacidade para atender até 4,5 mil pessoas por dia. Elisabeth Santana, presidente do órgão garante que 145 funcionários trabalharão para garantir esse atendimento.

Segundo o governo do estado os próximos municípios beneficiados com o projeto serão Santana e Laranjal do Jarí. Na pratica, diz o governador Capiberibe, o atendimento vai facilitar em muito a vida de cidadãos e cidadãs.

RIGOR - O atendimento ganha uma nova dinâmica, explica Elisabeth Santana. Segundo ela, os funcionários foram treinados e selecionados para atuar na execução das atividades de ponta para atender a demanda da população. São servidores pertencentes ao quadro da união à disposição do Governo do Estado e ex-guardas de presídio. Eles passaram por três tipos de seleção: analise de currículo, entrevista e avaliação de desempenho no curso de capacitação. Foram 60 dias de treinamento no Centro de Formação e Desenvolvimento de Recursos Humanos (Cefhor) e 30 dias distribuídos em órgãos que terão atividades dentro da CAP.

População residente em Macapá e demais municípios que integram o Estado terão mais facilidade na hora de requerer qualquer tipo de serviço oferecido pelo órgão. Uma carteira de identidade, por exemplo, que levava até 15 dias para ser expedida será entregue em uma hora.

 

Jurupary
Ente do mal. Demônio dos olhos de fogo que vive na floresta
Piracema
Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.

 

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy