Prefeitos protestam contra
a criação do
Parque do Tumucumaque


O prefeito de Laranjal do Jari, Reginaldo Miranda, declarou-se contrário à criação do Parque Nacional das Montanhas do Tumucumaque. Ele disse não acreditar, de forma alguma, no referido projeto, principalmente no que diz respeito às compensações prometidas pelo Governo Federal. Durante a primeira reunião interministerial do Grupo de Trabalho criado pelo Ministério do Meio Ambiente, para discutir sobre a criação do parque, realizada em Macapá na última sexta-feira, 9, Miranda fez um relato da situação do seu município, mostrando o descaso do poder público federal naquela área, inclusive informando que a população ribeirinha de Laranjal está se mudando para a sede do município, segundo o censo do IBGE, demonstrando o que ele chamou de “situação de exclusão daquela gente, do abandono aos que vivem na zona rural. É um povo sem apoio e sem acesso ao crédito”, disse o prefeito.

Mais adiante o prefeito disse que nem ele nem o povo de sua terra acreditam que as mudanças propostas, que as medidas compensatórias vão acontecer da forma como estão sendo colocadas, pois até hoje não conseguiram mudar essa realidade. “Essa proposta de final de governo é no mínimo duvidosa. Nós precisamos de medidas emergenciais, mas que elas realmente aconteçam”. Ele disse ainda que é fácil criar e prometer que vão fazer: “E todos nós sabemos que isso não vai acontecer”.

A prefeita de Pedra Branca do Amapari, Maria do Socorro Pelaes, declarou que ainda não tem um conhecimento mais profundo sobre a criação do parque e qual a área que vai ficar para o seu município. Através do mapa que viu a prefeita estranhou que até a reserva indígena estivesse dentro do parque. “A minha cidade não tem nenhuma infra-estrutura, não existe um metro de pavimentação. Lá não temos nem água tratada; no início do inverno passado cerca de 70% da população foi contaminada por hepatite, por causa da água. Com essa área que será destinada ao parque, nossa população vai ficar mais pobre. Nós estamos preocupados com a situação, por isso queremos saber das alternativas para levar à nossa comunidade. Precisamos avançar nas compensações”.

O prefeito Edelson Santiago Lima, de Serra do Navio não fugiu à regra quanto à aprovação do Parque do Tumucumaque. Durante sua explanação de motivos Lima reclamou do futuro do município, que terá 72% de seu território tomado pelo parque. “Gostaria de deixar claro que só durante o decorrer dessas reuniões é que vou colocar a minha posição sobre aprovação ou não do parque”, acrescentou o prefeito de Serra do Navio.

A criação do Parque do Tumucumaque vai subtrair importante percentual dos cinco municípios envolvidos. Quem mais perde é exatamente Serra do Navio com 72%. Mas, Laranjal do Jari, que já possui algumas reservas e com o parque perderá mais 53%, segundo a estimativa ficará com apenas 10% de seu território. Enquanto isso, Oiapoque perderá 39%, Pedra Branca, 35%, e Calçoene 29%.

Leal Di Souza

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.