Deputada denuncia que telensino
não passou de estelionato político

Professores são a categoria com maior credibilidade no Brasil

Em pronunciamento feito na Assembléia Legislativa, por ocasião da passagem do Dia do Professor, a deputada Helena Barros Heluy lembrou que recente matéria publicada no Jornal Folha de São Paulo, mostra que os professores constituem a categoria com maior credibilidade junto ao povo brasileiro mas que, apesar disso, não tem merecido o respeito das autoridades.

Dados apontados pela deputada em seu pronunciamento mostram uma situação de verdadeira indignação da categoria dos professores no Estado. Para ela o caos profissional entre os professores maranhenses é reflexo de uma realidade trágica do Maranhão: 62,7 por cento dos maranhenses vivem abaixo da linha de pobreza, 53,5 são analfabetos funcionais e 35% jamais tiveram qualquer acesso ao estudo.

Helena Heluy lembrou a última greve, de 3 semanas, levada a efeito pelos professores com o objetivo de exigir respeito para a categoria. A deputada denunciou que os estudantes maranhenses estão sendo submetidos ao pior nível de educação do Brasil. Todos os indicadores apontam que a Universidade Estadual do Maranhão está em último lugar, quando se trata de qualidade de ensino, entre as instituições de ensino superior do país. Os professores há 7 anos não recebem qualquer reajuste salarial e perderam, com o passar do tempo 89% do Poder aquisitivo.

As denúncias incluem também o que Helena Barros Heluy classifica como ato ilegal e imoral. Um professor concursado, com curso superior, que deveria ganhar 1.115 reais está com um salário base de apenas 300 reais. Com as vantagens que possa ter chega a 630 reais, ou seja, recebe mais ou menos a metade de seus vencimentos.

Helena acusa, também , desrespeito ao Estatuto do Magistério, afirma que, embora o Governo tenha assinado, no ano passado, um convênio da ordem de 102 milhões de reais com a Fundação Roberto Marinho, destinado a suprir o telensino, cometeu na verdade um estelionato político-administrativo para atender os interesses eleitorais de Roseana. Segundo ela a massa de estudantes que ingressou no telensino não recebeu qualquer certificado até hoje.

A deputada do PT ainda apelou ao governador eleito em favor dos professores. José Reinaldo, antes das eleições, prometeu atender às reivindicações dos professores em greve. Helena, no entanto, voltou a denunciar que as eleições de 2002 foram conturbadas, marcadas pelo abuso de poder econômico, no que classificou como uma "verdadeira orgia de poder na compra de votos e desrespeito à dignidade do cidadão".

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.