Começa o atendimento do CVV no Amapá

Grupo de prevenção ao suicídio escala
voluntários para atendimento por telefone

Cleber Barbosa (*)

Começou à meia-noite de ontem o funcionamento efetivo do Centro de Valorização da Vida (CVV) no Amapá. Administrado pelo Centro Pró-Vida do Amapá, a marca CVV passa a fazer parte do cotidiano dos amapaenses, com o apoio do Ministério Público Estadual (MPE) e a meta agora é tirar do Amapá o título de campeão de suicídios na Amazônia.

Segundo a coordenadora do CVV Amapá, a voluntária Ana Paula Pacessat, na verdade o início do atendimento marca o coroamento do exaustivo processo de seleção e treinamento das pessoas que se inscreveram para fazer parte da entidade. “Tivemos 173 voluntários inscritos. Nessa primeira etapa 50 deles foram considerados aptos ao atendimento por telefone”, contou.

Nesse treinamento, conta a coordenadora, membros do CVV de vários estados do país vieram a Macapá para ministrar palestras e atuar na seleção dos voluntários. “Não é fácil atender uma pessoa com depressão. Daí nossa preocupação em identificar nas pessoas vocação, habilidade e paciência para lidar com quem quer se matar”, ensina.

Uma das dificuldades adicionais está no fato do voluntário do CVV não poder aconselhar, mas apenas escutar a pessoa do outro lado da linha. O CVV entende que quem está deprimido sofre de solidão, ou seja, não tem ninguém na família disposto a ouvi-lo.

O CVV funciona na Casa da Cidadania, sede da Promotoria de Justiça da Cidadania e Direito Constitucional, na Rua Paraná, bairro de Santa Rita. O atendimento é feito pelo telefone 223-4111. Cada voluntário fica responsável por quatro horas de plantão, que é a jornada semanal a que cada um se compromete a cumprir. As escalas de revezamento se seguem com o rodízio de seis voluntários durante as vinte a quatro horas do dia.

A coordenação do CVV Amapá adiantou que em janeiro a entidade abrirá período de inscrições para novos voluntários, que deverão ser submetidos ao Processo de Seleção de Voluntários (PSV). A meta principal do CVV tirar do Amapá a liderança regional de suicídios, guardadas as devidas proporções. Até a última sexta-feira, foram registrados 40 suicídios no Estado. A maior parte desses suicidas tinha como perfil serem jovens ou adolescentes, com problemas amorosos.

Macapá-AP, 16 de novembro de 2002.

(*) Assessor de Imprensa/MPE

 


Voluntários do CVV Amapá

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.