Ministro diz que virá conhecer a
realidade ambiental no Amapá

A área proposta para o Parque Nacional das Montanhas de Tumucumaque, com 3.877.393 ha, abrange uma vasta região que se distribui pela fronteira norte do Brasil, no Estado do Amapá, além de uma pequena porção do Estado do Pará, na margem direita do rio Jari. A região, dominada pela floresta tropical densa, com clima quente e úmido, possui, entre as mais variadas espécies da flora e também da fauna, um dos mais altos índices de preservação do planeta.

O conjunto de área proposto para o parque são terras públicas federais, já discriminadas e arrecadadas pelo INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Quando oficializada a sua criação, o Parque Nacional das Montanhas de Tumucumaque passará a ser considerado o maior do Brasil, da América do Sul, como também o maior do mundo, em área de floresta tropical, posição que hoje é ostentada pelo Parque Nacional Salonga, da República Democrática do Congo (antigo Zaire), com pouco mais de 3,6 milhões de hectares.

Na terça-feira, 18, a governadora do Amapá, Dalva Figueiredo, acompanhada dos secretários de Estado do Meio Ambiente (Sema) e Planejamento (Seplan), Antônio Carlos Farias e Antônio Filocreão, respectivamente, e mais José Pedro, secretário nacional de Biodiversidade e Floresta, foram recebidos em Brasília pelo ministro de Estado do Meio Ambiente José Carlos Carvalho. Na reunião, presente a secretária nacional de coordenação do Ministério do Meio Ambiente, Mary Alegretti, que já trabalhou no Amapá.

A audiência, entre outros assuntos ambientais concernentes ao Estado, foi o Parque Nacional. “O ministério se manteve muito pró-ativo e receptivo com a nossa comitiva, no sentido de que o Estado e a União possam discutir medidas que venham trazer benefícios ao Amapá, por se tratar de uma área enorme de seu território que vai ser disponibilizada”, disse o secretário da Sema, Antônio Carlos Farias. “Nós sugerimos e o ministro acatou que, em breve, ele fará uma reunião, com a governadora do Estado e todos os prefeitos dos municípios envolvidos, para ser discutido, no âmbito do Ministério, as possíveis medidas compensatórias que o governo federal possa aportar junto com o Estado”, ressaltou ainda o secretário.

O ministro José Carlos Carvalho prometeu vir conhecer o Amapá para discutir essas questões ambientais e trabalhar com o Governo do Estado, fazendo uma gestão compartilhada, uma vez que eles entendem que o Parque Nacional das Montanhas de Tumucumaque será muito importante na visão estratégica, pelo fato do Amapá ter se notabilizado pela preservação do seu meio ambiente. “O parque poderá servir de modelo, como fez entender na audiência o ministro, e o Amapá poderá ser muito mais divulgado no exterior e, quem sabe, através dele (do parque), carrear muitos recursos para serem implementados em inúmeros programas nas áreas do seu entorno”, concluiu o secretário Antônio Farias.

A governadora Dalva Figueiredo, que ainda se encontra na capital federal, deve retornar a Macapá nesta quinta-feira, quando concederá entrevista coletiva à imprensa falando da audiência com o ministro do Meio Ambiente.


Aroldo Pedrosa

 

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.