Comitiva amapaense pede liberação
de verbas para rodovias federais


O governador eleito do Amapá, Waldez Góes, a governadora Dalva Figueiredo e os deputados federais Badu Picanço (PL), Antônio Feijão (PSDB) e Fátima Pelaes (PSDB) estiveram hoje nos ministérios dos Transportes e do Meio Ambiente, para tratar de assuntos referentes à liberação de recursos e andamento dos projetos de construção de trechos das rodovias BR-156 e BR-210.

Nos Transportes, a comitiva amapaense, composta também pelos secretários de Estado dos Transportes, Jaezer Danta, do Meio Ambiente, Antonio Carlos Farias, e pela chefe de gabinete do Estado, Ana Dalva, recebeu informações sobre o montante de recursos empenhados para as obras da rodovia BR-156. O ministro João Henrique de Almeida Souza disse que existem R$ 4,725 milhões para serem liberados.

Os representantes do Amapá solicitaram ao ministro que sejam priorizadas as verbas para a obra no trecho que liga Ferreira Gomes a Calçoene, já realizado até Tartarugalzinho. Esta reivindicação foi feita porque havia empenhos previstos para diversos trechos da estrada, o que acabava por dificultar a liberação do dinheiro federal.

A comitiva também solicitou que o Ministério priorize o ressarcimento de verbas estaduais já utilizadas na obra da BR-156.
Outra prioridade diz respeito aos recursos já empenhados para execução do projeto de construção do trecho sul da BR-156 e da BR-210.
No decreto de criação do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, assinado no início do segundo semestre deste ano, o Governo do Estado conseguiu garantir como contrapartida a liberação de cerca de R$ 20 milhões para a rodovia BR-156, ainda em 2002.

Como existe esta conexão entre a criação do parque e as obras das rodovias federais no Amapá, a comitiva amapaense também esteve no Ministério do Meio Ambiente, pedindo apoio do ministro José Carlos de Carvalho para viabilizar os recursos prometidos para o Estado.

Reunião do PDT
A direção nacional do PDT reuniu-se hoje à tarde, no Centro Cultural da Câmara dos Deputados, com a bancada federal do partido, para discutir a participação pedetista no futuro governo de Luís Inácio Lula da Silva.

Leonel Brizola, presidente nacional do PDT, discorreu sobre a reunião que teve com o presidente eleito, que formalizou convite para que os pedetistas participem do novo governo.

A principal liderança do partido disse que Lula, pela identidade histórica que tem com o PDT, tem o direito de convocar o partido a participar de sua equipe. A tese de Brizola, favorável à participação, foi aceita pelos presentes, inclusive pelo governador eleito do Amapá, Waldez Góes.

Brizola, na saída do encontro, disse que não houve qualquer definição sobre os cargos a serem ocupados pelo PDT, mas apenas o compromisso de dar todo o apoio ao novo presidente.

O deputado federal Miro Teixeira, do Rio de Janeiro, elogiou a
participação de Waldez Góes na reunião. O governador eleito do Amapá se manifestou favoravelmente à participação no governo Lula, lembrando que a bancada federal amapaense será amplamente favorável ao futuro governo.

Brizola ressaltou, na saída da reunião, a importância de Waldez Góes - único governador eleito pelo PDT - no contexto nacional do partido. Ele garantiu que os pedetistas dedicarão todo o empenho para ajudar o governo do partido no Amapá.
O senador Sebastião Rocha destacou o papel que Waldez desempenhará na conjuntura nacional. "Como único governador do partido, ele será naturalmente um dos principais interlocutores do PDT com o presidente Lula".

Marcelo Roza


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.