Açúcar e farinha de mandioca
puxam para cima valor
da cesta básica em novembro

O aumento significativo no preço de produtos como a carne de segunda (15,65%), Arroz (9,86%), feijão do sul (2,78%), leite de gado (3,61%), açúcar (31,43%), margarina (6,97%), farinha de mandioca (11,30%), óleo de soja (21,36%) e tomate (4,62%) fez com que o valor da cesta básica oficial chegasse à casa dos R$ 115,36 em novembro. Em outubro esse valor era de R$ 111,03. Já a cesta básica recomendada, chegou à casa dos R$ 519,55, sendo superior ao valor apurado em outubro que foi de R$ 514,56. O acréscimo de um mês para o outro foi de R$ 4,99 que em termos percentuais representa 0,97%.

A chefe da Divisão de Estatística do DEI (Departamento de Estatística e Informação) da Seplan (Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral), Leila Sílvia Sacramento da Silva, explicou que a diferença de preço apresentada é em decorrência da Seplan trabalhar, desde 1996, com duas cestas básicas que apresentam peso e quantidade de produtos diferenciados.

“A cesta básica oficial, por exemplo, existe desde a década de 30. Ela foi definida no governo do presidente Getúlio Vargas, pela Lei n0 399, de 30 de abril de 1938. Essa cesta é composta de 12 produtos alimentícios, equivalentes a ração mínima para alimentar por um mês uma pessoa adulta”, explicou.

A cesta básica recomendada, também conhecida como cesta básica regional, foi introduzida pelo Governo do Estado há seis anos. Ela é recomendada para uma família com cinco pessoas adultas. Na pesquisa para se chegar ao valor da cesta é avaliado o poder de compra de até seis salários mínimos líquidos.

Nessa avaliação são levados em conta produtos básicos usados na alimentação, higiene pessoal, de limpeza e manutenção doméstica, que possam suprir uma família padrão durante um mês.

Por causa dessas recomendações a cesta básica regional tem um levantamento de preços mais ampliado. Nela são pesquisados preços de 54 produtos distribuídos da seguinte forma: 38 de alimentação, sete de limpeza doméstica, dois de manutenção do domicílio e sete de higiene pessoal selecionados de acordo com o hábito de consumo e necessidades energéticas-nutricionais, essenciais à sobrevivência humana.

“Por isso afirmamos que a cesta recomendada familiar tem que ser composta de uma matriz de produtos que devem preencher as necessidades de alimentação, higiene e manutenção dó domicílio”, frisou.

Joel Elias

 

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy

Doce Amazônia
Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.