Zé Miguel deixa o "Senzalas"
para retomar à carreira solo

No princípio formavam um grupo dentro da música popular amapaense, mantendo suas carreiras independentes. Eventualmente se uniam para compor, gravar um ou outro disco, ainda no tempo do vinil, voltando em seguida cada um a cuidar de sua vida. Joãozinho Gomes, o compositor paraense de tantas canções chegou e se juntou a eles, "a lua foi bater no mar e ele foi que foi ficando"... e ficou. Um dia Amadeu Cavalcante, Joãozinho Gomes, Wal Milhomem e Zé Miguel se juntaram para fazer músicas e gravar um CD. Uma das músicas é "Senzalas", que acabou virando o nome do Grupo Senzalas. Então veio o show do Canecão, no Rio, as apresentações em São Paulo, as chamadas para esperáculos em outros pontos do País, a viagem à Europa e no retorno "Os tambores no meio do mundo",um projeto que marcou as noites de quinta feira no Centro de Cultura Negra durante todo o ano passado. Agora Zé Miguel decidiu que vai retomar sua carreira solo, e já lançou um belo CD, o "Zé Miguel Acústico", onde canta seus sucessos novos e antigos, incluindo composições de outros autores que fazem a alegria do povo. Se o "Grupo Senzalas" vai continuar? Tudo indica que sim.

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Jurupary
Ente do mal. Demônio dos olhos de fogo que vive na floresta
Piracema
Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.