SEBRAE LANÇA PREMIO
PARA PREFEITURAS
GERADORAS DE EMPREGO


Responsáveis por 67% da mão de obra empregada no país - o que corresponde, segundo o IBGE a 71,6 milhões de pessoas ocupadas e 98% dos empreendimentos formais existentes - os pequenos negócios podem ser o grande instrumento de reativação da economia e superação do grande drama do desemprego nas cidades brasileiras. Para se ter uma idéia só o setor de artesanato emprega mais que a poderosa indústria automobilística e movimenta mais recursos que alguns dos pesos pesados tradicionais como o setor do vestuário, do papel e papelão, da perfumaria e higiene pessoal etc.

Apostando na força desses números o Sebrae está lançando a segunda versão do Premio Mário Covas para o Prefeito Empreendedor - cujo objetivo é estimular e premiar as prefeituras que gerarem as melhores condições para a criação de pequenas empresas, o surgimento de novos negócios e a conseqüente geração de emprego e renda.

Desde o inicio da semana O Sebrae vem recebendo inscrições para o Prêmio versão 2002. O edital foi enviado às 5.561 prefeituras brasileiras. Os prefeitos têm prazo do dia 15 de abril a 10 de julho para preencher o formulário, anexo ao edital, e enviar um projeto que descreve as principais ações das prefeituras para promover o desenvolvimento da cidade por meio do apoio aos micro e pequenos empresários.

O tema remete a várias questões - inclusive culturais - como a sedução de muitos governantes pelos grandes investimentos, as grandes obras. Se os Pequenos Negócios têm números tão favoráveis o que dificulta a opção pelos pequenos empreendimentos? Como as prefeituras podem atuar para facilitar a abertura de novas empresas? Qual a importância do pequeno negócio no "plano local, da comunidade?" Que números ou exemplos se pode ter para seduzir os prefeitos? E o premio? Quais os critérios? Estas são algumas das questões que podem ser levantadas em entrevista com alguns dos nossos dirigentes envolvidos com o Prêmio.

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.