Dalva anuncia reinicio do
asfaltamento da BR 156

A governadora Dalva Figueiredo anunciou ontem o reinício da obra de pavimentação da BR 156. O anúncio foi feito durante uma coletiva à imprensa no Palácio do Setentrião. Da coletiva, além da imprensa e de secretários do governo, estavam presentes três representantes da CR. Almeida, uma das cinco empresas responsáveis pelo serviço.

A obra está paralisada desde fevereiro deste ano devido às chuvas torrenciais que castigam o interior do Estado. Na coletiva, e de comum acordo com os representantes da empresa, a governadora adiantou que a pavimentação será reiniciada na próxima semana. A meta do governo é acelerar o trabalho com a chegada do verão a fim de que o asfalto chegue até à comunidade do Breu, em Amapá. A obra será reiniciada a partir do quilômetro 152, em Ferreira Gomes, passando por Tartarugal Grande.

Para dar continuidade ao serviço, a governadora Dalva Figueiredo esteve na última semana em Brasília, solicitando a liberação de parte dos recursos previstos para BR alocados no OGU (Orçamento Geral da União). Da audiência com o ministro João Henrique Almeida (Transportes), ocorrida na última quarta-feira, estiveram presentes também os parlamentares da bancada federal do Estado.

Ao final do encontro com o ministro, a governadora conseguiu que fossem empenhados R$ 21,2 milhões dos R$ 50,4 milhões previstos para obra. Mas foram colocados à disposição do Estado apenas R$ 16,8 milhões, que serão liberados em seis parcelas de R$ 2,8 milhões. A redução foi em decorrência do DNIT (Departamento Nacional de Infra-Estrutura Terrestre) — substituto do extinto DNER (Departamento Nacional de Estradas e Rodagens), ter fixado limites aos valores a serem liberados pelo órgão.

Para evitar qualquer atraso no cronograma da obra, devido a atrasos na liberação das parcelas previstas, a governadora Dalva Figueiredo revelou na coletiva que o Governo do Estado já tem disponibilizado R$ 5 milhões oriundos de recursos próprios, que serão liberados à empresa em caso de emergência.

"O governo do Estado sabe das dificuldades que ocorrem na hora da liberação dos recursos alocados. Sabe também que é necessário fazer gestões políticas para que esses recursos sejam liberados afim de não parar a obra. E demonstrando a nossa preocupação com a conclusão da obra da BR 156, que é fundamental para o desenvolvimento do Estado e para a cooperação técnica com a Guiana Francesa, nos vamos continuar garantindo recursos do Estado. Isso aqui quero deixar bem claro. Mesmo que os recursos demorem a vir, nós já temos disponíveis em torno de R$ 5 milhões para colocar na obra", frisou.

A governadora enfatizou ainda que esta é uma preocupação do Estado e um compromisso do governo do PT. "Por isso estamos empenhados em receber o dinheiro que já foi empenhado".

Por conta dos recursos que o Estado está disponibilizando, a governadora já iniciou entendimento com a bancada federal do Amapá, para que, junto com o Executivo, consigam que o Estado seja ressarcido desses valores. "Se nós tivermos esse ressarcimento, iremos disponibiliza-los para serem reinvestidos na BR. Assim temos condições de chegar mais rápido à cidade de Amapá que será um grande de avanço para a obra", disse.

A governadora aproveitou a ocasião para convidar a imprensa para estar presente na inauguração do trecho que vai até a cidade de Tartarugalzinho. Pelas previsões da CR. Almeida, o trecho deve ficar pronto entre os dias 15 a 20 de agosto.

Joel Elias



Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.