Prêmio Gestão Pública: Projeto Navegar
já está entre os trinta semi-finalistas

O Projeto Navegar passou para mais uma fase do sétimo prêmio Gestão Pública e Cidadania, promovido pelas Fundações Getúlio Vargas e Ford com apoio do BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.
A iniciativa amapaense esta entre os trinta pré-finalistas.

Um técnico da Fundação Getúlio Vargas fará uma visita de campo ao Projeto Navegar. Durante dois dias ele estará viajando ao Arquipélago do Bailique, local onde o projeto é desenvolvido, para comprovar o seu alcance social.

Foram inscritas 981 iniciativas de todo Brasil. Dessas, 100 passaram para a semifinal. Dos 100 semifinalistas, 30 foram selecionados para a fase pré-finalista. Um comitê técnico apoiado por especialistas em diferentes áreas fez a escolha. Para a final somente 20 serão escolhidos, dos quais, cinco serão premiados.

Cada um dos cinco destaques receberá R$ 20.000,00 (vinte mil reais) como prêmio. Os outros 15 finalistas receberão R$ 6.000,00 (seis mil reais).

Prêmio – O Programa Gestão Pública e Cidadania foi instituído com a intenção de focalizar e disseminar o que está indo bem na área pública, além de descobrir as inovações governamentais nos níveis estadual e municipal e, assim, premiar as melhores iniciativas.

O prêmio é aberto às instituições públicas dos poderes executivo, legislativo e judiciário.

As iniciativas precisam ter impacto na melhoria da qualidade de vida do público beneficiado.

Navegar - O Navegar tem como base um barco com características regionais, adaptado com laboratório de informática e antena de transmissão via satélite que faz a conexão com a Internet. O desafio é utilizar esses recursos tecnológicos para promover a inclusão digital de ribeirinhos no mundo da informação.

O Navegar atende, desde agosto de 2000, o arquipélago do Bailique. Distante 150 quilômetros de Macapá, via fluvial em direção a foz do Amazonas. O arquipélago é formado por oito ilhas: Curuá, Parazinho, do Meio, Faustino, Bailique, Franco, Brigue e Marinheiro. Vivem atualmente na região cerca de 8.500 pessoas, distribuídas pelas mais de 38 comunidades.

É nesse pedaço especial do delta do Amazonas que o poder público estadual tem colocado crianças, jovens e adultos em contato com o mundo da tecnologia.

Tanha Silva

 


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.