Secretaria protocola no Ibama,
projeto de manejo de açaizais.

A Secretaria de Estado da Agricultura, Pesca, Floresta e do Abastecimento – SEAF, protocolou ontem no IBAMA-AP um Plano de Manejo Florestal Comunitário de Açaizais Nativos, que será desenvolvido no Arquipélago do Bailique, Macapá - AP.

O Plano é pioneiro na Amazônia e provavelmente no Brasil, e foi concebido com a finalidade de fornecer matéria prima para a Fábrica de Palmito e Polpa de Açaí, que será gerenciada pela Cooperativa Mista Extrativista Animal e Vegetal dos Produtores Rurais de Bailique – COMPAB.

A única condição para participação no Plano é que o produtor seja associado da Cooperativa. Todos os participantes serão treinados por técnicos da Secretaria em técnicas essenciais para a efetivação de um bom manejo florestal.

No Plano, será manejada, anualmente, uma área de 500 ha de açaizais nativos, como rege a legislação florestal para o manejo comunitário, pelas dez 10 famílias de produtores envolvidas inicialmente.

No primeiro ano, o Plano de Manejo Florestal Comunitário atenderá a Fábrica em 202.500 estirpes adultos, correspondente a uma produção de 25.312,5kg drenado de palmito em conserva, o que significa dizer que serão produzidos 84.375 unidades de potes de 800g bruto, ou mais precisamente, 5.625 caixas padrão com 15 unidades de potes cada.

A partir desse primeiro corte, as florestas de açaizais remanescentes dessa Unidade de Produção Anual - UPA, serão conduzidas através de tratos silviculturais, previsto no Plano de Manejo Florestal Comunitário, objetivando o aumento da produtividade para o segundo corte, de forma que seja atendida a demanda de 34.625 estirpes mensal para funcionamento da Fábrica da COMPAB em produção de palmito em conserva.

No segundo ciclo do Plano, ficará também projetada a coleta de frutos, onde serão deixados um estirpe adulto por touceira para esse fim, totalizando 277 árvores produtivas/ha, que em franca produção de frutos produzirão 4,16 toneladas/ha. ano. O montante, a partir de então, da produção de frutos para a área de efetivo manejo é estimada em 2.077 toneladas de frutos/ano, ou seja, 173 toneladas de frutos/mês.

Com base no primeiro e segundo corte da Unidade de Produção Anual - UPA e ainda no custo total estimado do período projetado, estima-se um custo unitário do palmito "In Natura" de R$ 0,90. Aparentemente o custo está elevado, porém se levar-mos em consideração os objetivos do Plano, que são palmito e fruto, se terá uma análise diferente com relação ao mesmo, quando da inclusão do valor dos frutos no cálculo.

Paralelamente as ações do Plano de Manejo Florestal Comunitário, a Gerência Estadual do Projeto de Desenvolvimento Florestal - GEPDF está implantando as atividades necessárias, visando a Certificação Florestal do mesmo.

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.