PT vai a campo e flagra
mentira na reforma agrária

Acompanhados da imprensa, 11 deputados do partido visitaram na manhã de ontem uma área de 2.142 hectares no Distrito Federal, onde, de acordo com os números da reforma agrária do governo federal, deveriam estar assentadas 280 famílias. Tudo o que encontraram, no entanto, foi muito mato e resquícios de
cerrado. "Se eles manipulam os números aqui, a pouco mais de 60 quilômetros da Praça dos Três Poderes, imagine no interior do Amazonas", criticou o deputado Virgílio Guimarães (PT-MG), um dos visitantes ao local.

O "assentamento" visitado está localizado na área rural de Planaltina (DF), a cerca de 62 quilômetros do Plano Piloto. Na área isolada nº 01 do Pipiripau, onde o balanço do governo afirma que há um assentamento para 280 famílias na fase dois (com infra-estrutura básica), não há estradas, energia ou água.

O deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (SP) afirmou que a visita demonstra o que o partido questionava desde janeiro, quando o assessor técnico da bancada Gerson Teixeira elaborou o documento "A realidade das metas e o fracasso da estratégia política do programa de reforma agrária do governo Fernando Henrique Cardoso", mostrando a distorção dos números divulgados.

Para a deputada Luci Choinacki (PT-SC), a "maquiagem" do governo é tão grotesca que, se confrontados os 18 milhões de hectares desapropriados com o número de famílias que o governo diz que assentou (584 mil), chega-se à conclusão de que a terra desapropriada não é suficiente para instalar a quantidade de famílias anunciadas pelo relatório do governo. Os números divulgados são desmentidos pelo próprio Incra (Instituto de Colonização e Reforma Agrária). A diferença entre os dados do Incra e a propaganda do governo é de mais de 137 mil famílias.

Propaganda Enganosa - O deputado João Grandão (PT-MS) responsabilizou o ex-ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann, pela "propaganda enganosa" veiculada no Brasil e alardeada no exterior. "Está desmascarada a mentira que o governo tentou vender para se contrapor aos argumentos dos que lutam pela reforma agrária no país", afirmou.

O PT ingressou ontem com representação no Ministério Público Federal contra Fernando Henrique e Jungmann para apurar responsabilidades na publicação de informações fraudulentas sobre a reforma agrária no período de 1995 a 2001. ( Informes )

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.