Cidadania é a meta dos
novos promotores

O Ministério Público Estadual (MPE) teve uma noite de festa na sexta-feira, por conta da solenidade de posse de dois novos promotores de Justiça. André Luís Dias Araújo e Giza Veiga e Silva assumiram o cargo prometendo dedicar todo o vigor de sua juventude à causa do Ministério Público, promovendo acima de tudo, ações de cidadania, para fazer frente à mazelas sociais que ainda assolam a população.
O evento aconteceu no auditório da Procuradoria Geral de Justiça, que esteve lotado, ante a presença de autoridades locais, convidados, amigos e parentes dos empossados. O Colégio de Procuradores de Justiça, que possui onze membros, foi quem deu posse aos novos promotores.

A saudação oficial às estrelas da noite ficou a cargo do promotor de Justiça Éder Geraldo Abreu, presidente da Associação do Ministério Público do Amapá (Ampap). Em seu discurso, ele ressaltou que a injeção de sangue novo no colegiado de promotores de procuradores de Justiça é sempre salutar. “A sociedade espera muito dos senhores”, disse Abreu.

André Luís teve a honra de discursar em seu nome e de sua colega Giza. Emocionado, ele ocupou a tribuna e contagiou os presentes ao agradecer o apoio recebido dos familiares, da noiva e dos amigos. “Foram noites e noites de muito sacrifício para estudar, muitas vezes compartilhadas com vocês”, disse o promotor André Luís.

O procurador-geral de Justiça, Jair Quintas, parabenizou os jovens promotores e disse esperar ainda em sua gestão dar posse aos outros quatro candidatos aprovados no concurso realizado no ano passado, que contou com mais de 500 inscritos, de todo o país. “O André Luís na verdade já era servidor do Ministério Público há cinco anos. Estudou, formou-se em Direito e hoje é guindado a essa nova função”, lembrou.

O paulista André Luís tem 26 anos de idade, mora há quase vinte no Amapá e estava licenciado do cargo de operador de microcomputador do MPE, pois já atuava como Defensor Público. A paraense Giza Veiga e Silva tem 24 anos e trabalhava como procuradora da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), em Belém (PA) (Cleber Barbosa)

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.