Governo do Amapá é parceiro
da campanha Natal Sem Fome.

Natal Sem Fome não feche os olhos, não finja que não é com você!!!

O Governo do Amapá lança até sexta-feira, 29, a campanha Natal Sem Fome, nas repartições públicas estaduais. A proposta é arrecadar, junto aos servidores públicos, a maior quantidade possível de alimentos não perecíveis para posteriormente serem entregues a famílias carentes no Estado. A iniciativa soma-se a uma parceria do governo local, Banco do Brasil e Serviço Social do Comércio (SESC). As três instituições anunciam para o dia 8 de dezembro o lançamento oficial da campanha “Natal Sem Fome”. O local será a área interna e externa do Sesc/Araxá.

A programação ocorrerá ininterruptamente das 8h às 22h -- uma espécie de domingueira que segundo os organizadores, pretende reunir pelo menos 4 mil pessoas.

Durante o evento será desenvolvida uma série de atividades nas áreas esportiva, social, cultural e de saúde. Do setor do Governo do Estado, participam diretamente do evento: Central de Atendimento à População (CAP), Centro de Hemoterapia e Hematologia do Amapá (HEMOAP), Polícia Técnico-Científico (POLITEC), Secretaria de Estado do Trabalho e da Cidadania (SETRACI), Departamento de Desporto e Lazer (DDL), Fundação Estadual de Cultura (FUNDECAP).

Guiga Melo, da FUNDECAP, garante que o Governo do Amapá terá participação decisiva oferecendo serviços como expedição de documento civil, exames de diabete, verificação de pressão, tipagem sanguínea, jogos esportivos e de lazer, projetos “Doador do Futuro” e “Melhor idade”. O Fut-lama (modalidade esportiva praticada pelos ribeirinhos), também será uma atração à parte. A programação artístico-cultural contará com bandas de música, teatro, cantores locais, atrações de palco, entre outros.

Manoel Antônio Bezerra Bacelar, diretor do DDL, garante que a expectativa é grande com relação a esse projeto. Do ponto de vista político e social, Manoel Bacelar, crê que a iniciativa mostrará o espírito humano e solidário das pessoas, “Qualquer cidadão poderá participar, além, de conhecer os projetos institucionais do Governo do Estado, a pessoa terá a oportunidade de ajudar a matar a fome de muita gente. Muitas vezes um quilo de alimento faz a diferença”, observou Bacelar.

CAMPANHA INTERNA- A campanha do Natal Sem Fome, que será instituída pelo Governo do Estado, prevê uma arrecadação recorde de alimentos não perecíveis, por anteceder os pagamentos dos servidores do quadro estadual e federal.
O prédio da CAP, situado à Rua Cândido Mendes, Nº 448, esquina com a Avenida Raimundo Álvares da Costa, no Centro, será o Posto Central de arrecadação dos alimentos. Kátia Silene Guedes de Souza, diretora da CAP, garante que haverá um Posto de Arrecadação desses alimentos em cada secretaria ou órgão do Estado.

SOLIDARIEDADE - Não podemos fechar os olhos e fingir que a miséria não existe, que ela não castiga muitos brasileiros. Para parte das pessoas as festas de final de ano representam momentos de felicidades e de confraternização. Porém, para milhares de famílias o Natal é triste; porque elas têm fome, porque sentem na pele o drama do desemprego e estão sem perspectivas, às vezes até sem esperanças.
Quem tem condições de fazer algo a respeito não pode se omitir. Contribua para a campanha Natal Sem Fome, e ajude muitas famílias carentes a terem um final de ano um pouco melhor... ao menos com comida à mesa.

A campanha Natal Sem Fome é realizada todos os finais de ano, inspirada pela força, determinação e obstinação de Herbert de Souza, o Betinho, morto em agosto do ano passado. Na cidade de Sorocaba, a campanha Natal Sem Fome ocorre 1994. A campanha é coordenada por diversas entidades representativas da cidade. Os alimentos arrecadados são transformados em cestas básicas e distribuídos para as famílias carentes por igrejas e entidades assistenciais da região.
No final do ano passado foram arrecadadas 36 toneladas de alimentos que, através dessa ação emergencial, conseguiram amenizar a fome de 1.800 famílias ao menos às vésperas do Natal.
Este ano, na quinta edição da campanha em Sorocaba, os organizadores esperam novamente, com a solidariedade da população, arrecadar uma quantidade bem maior. O aumento da crise econômica agravou o desemprego e, conseqüentemente, aumentou a miséria.

Enquanto não se encontram soluções para que todos os brasileiros tenham direito à cidadania plena ( o que inclui o direito ao emprego ), muitas famílias, muitas vezes miseráveis, contam diretamente com a solidariedade de cada um, principalmente daqueles que têm um pouco mais.

Maiores Informações sobre a campanha Natal Sem Fome no Amapá, Fones: (96) 9971 - 5952/ 9972 - 3781/ 9974 - 4335.


EDY WILSON SILVA

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.