Depois do vexame do falso
seqüestro
Polícia divulga nota oficial

Depois de horas de trabalho intenso em busca de "seqüestrada"e de "seqüestradores", a Polícia Civil descobriu que não havia seqüestro e nada além de uma desavença entre marido e mulher, ele delegado de polícia. Diante de tudo o que aconteceu a Secretaria de Segurança Pública divulgou hoje uma nota oficial sobre o assunto.

Nota à Imprensa

Em referência ao fato ocorrido no dia 27 do corrente, largamente veiculado pela imprensa local, de forma oficiosa e inequívoca, como seguestro, temos a esclarecer o seguinte:

1 – Por sua natureza não ficou caracterizado o crime desta espécie. O que ocorreu de fato foi um desentendimento familiar e, como tal, deve ser preservado. Porém, pessoa inescrupulosa, prevalecendo-se de um momento de dificuldade, tentou extorquir um cidadão.

2 – A notícia de um fato grave como este requer reação imediata e coordenada, bem como uma intensa mobilização por parte da polícia. Jamais poderíamos cruzar os braços diante de um evento tão grave como este e que, se fosse uma situação real de sequestro, como se supunha, poderia inclusive resultar em perda de vida humana, caso não houvesse uma atuação imediata e eficaz.

3 – Imediatamente após o conhecimento dos fatos, assumimos pessoalmente o comando da operação, acompanhando passo a passo todas as etapas da investigação, encerrada na manhã do dia seguinte com a localização da suposta vítima e a constatação de sua integridade física preservada.

4 – A Polícia Civil do Amapá está de parabéns pela atuação madura, organizada e ágil, o que só pode ocorrer porque nossos policiais demonstraram mais uma vez ser na realidade exemplares cumpridores de seus deveres. São pessoas valorosas ao ponto de deixarem as suas famílias na tentativa de salvar vidas e preservar direitos.

5 – Cumpre esclarecer que os fatos, ainda não convenientemente esclarecidos, serão oportunamente submetidos à investigação no sentido de identificar eventuais autorias.

Por fim, gostariamos de agradecer imensamente o apoio da Polícia Militar, da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Federal, extensiveis ao Banco do Brasil e às cooperativas de taxistas e mototaxistas que envidaram todos os esforços com vistas a ajudar, demonstrando, assim, os avanços alcançados no sentido da integração.

A nota é assinada pela delegada geral Rosilene Sena

 

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.