Indice de AIDS no Amapá preocupa autoridades

Autoridades amapaenses de saúde expressam preocupação com os índices de casos de AIDS no Amapá. As estatísticas da Coordenação Estadual do DST e Aids no Estado somam 261 casos, desde 1988, época em que a AIDS, também chamada de ”Mal do Século”, ficou mais conhecida no Amapá. A informação é de Assunção de Maria Lima, chefe da coordenação. Os índices apontam que do total de casos registrados, 177 correspondem a homens infectados e 84 mulheres. Revelou ainda que 156 das pessoas vítimas da doença tem idade entre 20 e 34 anos.

Uma caminhada pelas principais ruas do centro da cidade, na sexta-feira, 29, marcou as comemorações alusivas ao Dia Mundial de Luta Contra a AIDS. A data oficial estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) é dia 1º de dezembro. “A data é visto como um marco no combate a doença e a conscientização das pessoas quanto ao mal que a AIDS pode causar”.

Segundo a coordenação, as atividades desenvolvidas nesse dia no centro da cidade, visaram divulgar mensagens de esperança, solidariedade, prevenção e incentivo aos novos compromissos com essa luta. A cada ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) elege a população/grupo social que registra o maior crescimento da incidência de casos de HIV/aids e define estratégias para uma campanha com ações de impacto e sensibilização sobre a questão.

PREOCUPAÇÃO- A coordenação lamentou o aumento de casos. Assunção Lima assinalou que em 88, essa unidade começou seu trabalho com duas notificações de homens e uma mulher; entretanto, a cifra elevou-se em 2002 para 26 homens e 23 mulheres, quase um por um. Ela atribui esse índice, há falta de informação, o pouco acesso a métodos de prevenção e diagnóstico, além da dificuldade de assistência médica.

Diante da situação diz a coordenadora, o governo do Amapá vai promover, entre outras atividades, a partir de março de 2003, um seminário, destinado a um grupo de 30 mulheres. Elas vão receber treinamentos sobre subsídios teóricos da epidemia de Aids para atuarem como multiplicadoras na comunidade, esclarecendo com palestras sobre os modos de infecção, prevenção e tratamento da doença. Este ano no Brasil, aumentou também os índices dos Casos de AIDS envolvendo adolescentes, em especial as meninas.

Carlos de Jesus Pereira


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.