Pescap entrega quatro embarcações
a pescadores artesanais do Pracuuba


Os pescadores artesanais da Colônia Z — 11, do Pracuuba, foram beneficiados ontem com a entrega de quatro barcos pesqueiros. A entrega ocorreu no Estaleiro Salmo 91, no bairro do Elesbão, em Santana. Com financiamento feito pelo Basa (Banco da Amazônia), através do Frap (Fundo de Desenvolvimento Rural do Amapá), cada embarcação custou R$ 12 mil.

As embarcações têm capacidade para quatro toneladas de pescado. O chefe da Divisão de Pesca Artesanal e Indústria Pesqueira, Miguel Soares, revelou que, desde a implantação do Fundo, em 1992, aproximadamente 85 pescadores já foram beneficiados com a linha de crédito estadual.

O presidente da Pescap, Dirceu de Andrade Pontes, explicou que o investimento faz parte da política do Governo Amapaense de dotar os pescadores artesanais do Estado de condições mínimas para desenvolverem seu trabalho do dia-a-dia.

Logo no início do programa, o teto do financiamento era de R$ 4 mil. Posteriormente esse limite subiu para R$ 6 mil até chegar nos 12 mil atuais. Mas esse valor também já está sendo considerado baixo demais para o financiamento.

"Nós já percebemos que hoje esses R$ 12 mil, é um valor que já não está mais atendendo aos objetivos do projeto. Isso devido ao custo com mão-de-obra, motor, material, estaleiro. Quer dizer, todos esses custos que sofrem alteração de um ano pro outro, acabam também influenciando diretamente no programa. Por isso a Pescap já está fazendo um estudo para aumentar o valor do financiamento", disse o chefe da Divisão de Pesca Artesanal e Indústria Pesqueira da Pescap.

O prazo para resgate do financiamento é de quatro anos, sendo um de carência, com juros de 3% ao ano sem correção monetária. "Com esse plano o beneficiado paga uma parcela por ano. Ou seja, ele trabalha um ano e quita uma parcela. Aí trabalha mais um ano para quitar a segunda parcela e assim sucessivamente", explicou Soares. A Agência também está orientando os pescadores a abrirem uma conta vinculada ao programa, com o objetivo de captar recursos para servir de garantia ao pagamento do débito.

"Ä maioria dos pescadores já estão fazendo isso. Eles estão procurando uma forma alternativa de financiamento para quando chegar a data de vencimento da parcela, eles terem o recurso em mãos. Vamos supor que a parcela seja de R$ 2 mil. Aí todo mês ele deposita uma certa quantia para quando chegar o fim de ano ele ter pagar a dívida. Isso evita que haja acúmulo de parcelas. É por isso que existe essa carência de um ano, que é justamente para que o beneficiário possa se planejar, se preparar para pagar a primeira parcela", frisou o presidente da Pescap.

Joel Elias


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.