Filho do sertão derrota "americano"

A vitória do petista Wellington Dias na disputa ao governo do Piauí teve um significado especial para o PT: filho de uma cidade do sertão (Oeiras), ele venceu o "americano", como é conhecido o governador Hugo Napoleão, do PFL, de tradicional família política do estado. Filho de diplomata, Napoleão carrega esse apelido por ter nascido em Oregon, nos Estados Unidos, onde
seu pai, Aluízio, serviu como vice-cônsul brasileiro.

A ascensão de Wellington Dias ao governo do Piauí representa um duro golpe no chamado voto de cabresto que sempre dominou a politica estadual. "Eu sou decente, vou fazer um governo decente, com gente honesta", afirmou Dias ao comemorar a vitória.

No início da disputa, o candidato petista acreditava que a campanha iria motivar milhares de pessoas a mudar. A grande surpresa foi a força desse desejo de mudança. O povo desbancou uma oligarquia que há anos se reveza no poder no estado.

A campanha foi muito mais que uma simples eleição. "Foi um movimento que veio do coração de cada homem e mulher com muita força, com muita determinação. Nossa força é a nossa união", diz Wellington Dias, ao declarar mais uma vez seu compromisso em desenvolver o estado e honrar cada voto.

Nem mesmo Wellington Dias imaginava que sua atuação como parlamentar nesta legislatura e as inúmeras atividades de campanha de norte a sul do estado iriam se transformar em poderosa alavanca para um movimento popular arrebatador.

Quatro quilos mais magro, Dias não pretende descansar ainda.
Vai se engajar de corpo e alma para eleger Lula Presidente dia 27 de outubro. E está de olho na gestão de Hugo Napoleão. "Se a gente piscar, eles quebram o estado."

Deputado federal ainda com mandato em curso, Dias marcou presença no Congresso como presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle.
Denunciou 163 dos 222 prefeitos piauienses por irregularidades na gestão.
O então governador, Mão Santa, não escapou de seus ataques.
Em sua gestão, um dos projetos desenvolvidos pela Comissão foi o Interlegis, que pretende integrar os três poderes nas três instâncias (federal, estadual e municipal) a fim de dar maior transparência às contas públicas. Wellington se destacou também por sua atuação de denúncia contra o crime organizado no Piauí, que contribuiu com as investigações da CPI do Narcotráfico e gerou abertura de processos na Justiça. Outra iniciativa parlamentar importante do petista foi a apresentação do PL nº 1.114/99. O projeto cria programa permanente de convivência com o semi-árido.

Wellington tem 40 anos, é casado e pai de três filhos. Filho de
lavradores de Oeiras, é formado em letras com especialização em políticas públicas.

Iniciou sua vida política nas Comunidades Eclesiais de Base da Igreja Católica. É filiado ao PT desde 1985. Foi dirigente da Central Única dos Trabalhadores (CUT-PI), presidente da Associação dos Economiários do Piauí, do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários e Financiários
do Estado do Piauí e da Federação Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Fenae). Antes de ser eleito o primeiro deputado federal do PT do Piauí, foi vereador de Teresina (1993/1994) e deputado estadual (1995/1999).

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.