Dom Pedro José Conti - O brâmane e as Escrituras

Certo dia, um brâmane, sacerdote hindu, apresentou-se ao rei e lhe disse:
- Se me nomear seu mestre, eu lhe ensinarei as Sagradas Escrituras, que conheço profundamente. Vou querer somente comida, hospedagem e três mil rúpias por mês.
– O rei não gostou nem do desejo de honra e nem do dinheiro que o homem tinha pedido e respondeu:
- A minha impressão, ó brâmane, é que você não tenha entendido bem as Escrituras; poderei recebê-lo como mestre se estudá-las mais a fundo.
– O sacerdote ficou com raiva e pensou: - O rei está louco, como pode dizer que não conheço as Escrituras? Já faz muitos anos que as leio todos os dias. – Contudo voltou para casa e iniciou uma nova leitura com mais atenção. Depois disso, foi de novo falar com o rei, mas este lhe repetiu as mesmas palavras e ficou mais zangado ainda; então suspeitou que a exigência do rei pudesse ter sentido. Fechou-se em casa e retomou a leitura das Sagradas Escrituras, trecho por trecho, versículo por versículo, palavra por palavra, dia após dia elas entraram no seu coração e não mais somente na cabeça. Compreendeu assim a vaidade do mundo e como honra e dinheiro não valem nada se comparados com o tesouro inestimável da palavra de Deus. Começou então a buscar a perfeição e se esqueceu do rei.

Depois de alguns anos, aquele mesmo rei foi visitar pessoalmente o brâmane. Quando viu a luz que resplandecia no seu rosto, o rei caiu aos pés dele e disse:
- Agora estou vendo que você realmente chegou ao conhecimento mais profundo das Escrituras. Se quiser me aceitar como seu discípulo ficaria muito feliz .

Essa história nos lembra que antes de querermos ensinar algo aos outros precisamos conhecê-lo de verdade. Antes de falar devemos aprender a escutar.

Na cura do surdo que falava com dificuldade, Jesus primeiro coloca os dedos nos ouvidos dele e, somente depois, toca na sua língua. O que poderia parecer um estranho ritual na realidade revela uma grande lição e, de certa forma, uma preocupação do próprio Jesus. Entre o ouvir e o falar tem uma profunda ligação. Quem tem ouvido bom, facilmente aprende a falar. Quem não escuta bem, ou não escuta nada, dificilmente consegue se expressar. Com efeito, o homem surdo do evangelho falava com dificuldade. A sucessão dos gestos de Jesus e o seu suspiro conclusivo: “Efatá” – Abre-te – dizem tudo. Aquele que se abre à Palavra, à escuta e a compreende, por sua vez, poderá abrir a boca para comunicar o que ouviu e entendeu. Somente quem se apropria da Palavra pela escuta atenta e a deixa entrar no profundo do seu coração, poderá também anunciá-la com fidelidade, respeito e alegria. Quem tem a Palavra como seu tesouro poderá tirar dela “coisas novas e coisas velhas”, como o pai de família da parábola (cf. Mt 13,52). Mas se não tem tesouro ou o cofre está vazio, não terá nada para oferecer. Aliás, poderá dizer muitas palavras, mas bem poucas capazes de ecoar e comunicar aquelas “palavras de vida eterna” que Jesus semeou no meio de nós (cf. Jo 6,68).

Vivemos num mundo globalizado e conectado, onde, aparentemente, domina a comunicação. Parece que todos têm muitas coisas para dizer, nem que seja para nos convencer a comprar os seus produtos ou a votar neles. Quem ainda não sabe das últimas “news” tem a impressão de ter ficado para trás. Será? Sobram palavras, sons e ruídos. Estamos bombardeados por notícias, informações, umas empurradas pelas outras que vêm logo atrás. Precisamos aprender a filtrar as informações; de outra forma bobagens, fofocas e amenidades, vão juntas pelo ralo com notícias que mexem com a vida de milhares de pessoas, de países inteiros e até com a vida do próprio planeta. O pior acontece quando também a Palavra de Deus acaba do mesmo jeito, no lixo da confusão, na mistura dos acontecimentos, na incerteza sobre quem, afinal, nos diz a verdade.

Com a Palavra do Senhor somos todos ainda muito surdos e a balbuciamos com grande dificuldade. Para Jesus tirar aquele homem do isolamento da surdez e da não comunicação bastou tocar nele, com carinho, com paciência, mas fora do barulho e da curiosidade da multidão. Para entrar mesmo em nossa vida, também a Palavra de Deus precisa de tempo, atenção, recolhimento e… silêncio. Todas coisas fora de moda. O brâmane da história se esqueceu até do rei, no entanto uma nova luz resplandeceu no seu rosto. E o rei viu.

Dom Pedro José Conti
Bispo de Macapá

Deixe um comentário

Nota do moderador: Comentários preconceituosos, racistas e homofóbicos, assim como manifestações de intolerância religiosa, xingamentos, ofensas entre leitores, contra a publicação e o autor não serão reproduzidos. Não é permitido postar vídeos e links. Os textos devem ter relação com o tema do post. Não serão publicados textos escritos inteiramente em letras maiúsculas. Os comentários reproduzidos não refletem a linha editorial do site.

(Digite os números abaixo)

Desenvolvido por Claudio Correia - Adm
Iniciado em 16/07/2012