Mulher de Carlinhos Cachoeira teria chantageado juiz com dossiê

Na decisão judicial que determinou buscas e o comparecimento de Andressa Mendonça à Polícia Federal hoje (30/7) em Goiânia, o juiz Mark Yshida Brandão diz que ela usaria como objeto de chantagem um suposto dossiê que seria publicado pelo jornalista Policarpo Júnior, diretor da sucursal da revista Veja em Brasília.

De acordo com o juiz, nesse dossiê, haveria “informações desfavoráveis” ao juiz Alderico Rocha Santos, titular do inquérito que apura as denúncias contra o empresário Carlos Augusto de Almeida Ramos, conhecido Carlinhos Cachoeira, marido de Andressa.

“Narra o magistrado [Alderico Santos] que a requerida [Andressa] noticiou a existência de um dossiê contendo informações desfavoráveis a ele, que seria publicado pelo repórter Policarpo na revista Veja, mas que ela poderia evitar a publicação. Para tal, bastaria que o juiz federal concedesse liberdade ao réu Carlos Augusto de Almeida Ramos e o absolvesse das acusações ofertadas pelo Ministério Público”, destaca o texto do juiz Mark Brandão, diretor do Foro da Seção Judiciária de Goiás, durante o plantão judiciário no domingo (29/7).

Brandão considerou que Andressa teria oferecido ao juiz como vantagem indevida a “ingerência com o jornalista para evitar publicação de dossiê contendo fatos ligados à vida do magistrado”.

Hoje de manhã, Andressa foi conduzida de forma coercitiva à sede da Polícia Federal, onde chegou às 9h30. Ela deixou a sede da corporação em Goiânia às 12h15. Durante o depoimento, ela permaneceu em silêncio. De acordo com informações da Polícia Federal, Andressa terá de pagar fiança de R$ 100 mil e está proibida de se comunicar com qualquer investigado no processo, inclusive seu marido.

Na semana passada, ela foi ao julgamento do habeas corpus do marido, no TJDFT

A Agência Brasil entrou em contato com a redação da revista Veja em Brasília e foi informada que o assunto estava sendo tratado pela redação de São Paulo. Em contato com a redação de São Paulo, a Agência Brasil foi orientada a procurar o Departamento Jurídico da revista. Em São Paulo, o Departamento Jurídico disse que nada tem a declarar sobre o assunto.
(Agência Brasil)

Mulher de Cachoeira presta esclarecimento por suposta oferta de propina

Andressa Ramos Mendonça, a mulher do contraventor Carlos Augusto Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, foi conduzida à Polícia Federal em Goiânia, nesta manhã de segunda-feira (30/7), para prestar esclarecimentos sobre uma suposta oferta de propina ao juiz federal Alderico Rocha Santos. Segundo o delegado Joaquim Mesquita, da Superintendência da PF em Goiânia, Andressa Ramos pode ser liberada a qualquer momento, desde que pague fiança.

Carlinhos Cachoeira foi preso no dia 29 de fevereiro deste ano, pela Operação Monte Carlo da PF, acusado de comandar a exploração de jogo ilegal em Goiás. A prisão ocorreu oito anos após após a divulgação de um vídeo em que Waldomiro Diniz, assessor do então ministro da Casa Civil, José Dirceu, lhe pedia propina. O resultado foi a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos e na revelação do esquema conhecido como mensalão.
(Com informações de Edson Luiz)

Andressa Mendonça é liberada e deve pagar fiança de R$ 100 mil

Por volta das 12h30 desta segunda-feira (30/7), Andressa Ramos Mendonça, a mulher do contraventor Carlos Augusto Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, foi liberada após prestar esclarecimentos. Nesta manhã, ela foi conduzida à Polícia Federal para falar sobre uma suposta oferta de propina ao juiz federal Alderico Rocha Santos. Segundo Joaquim Mesquita, da Superintendência da PF em Goiânia, Andressa Ramos terá três dias para pagar a fiança, no valor de R$ 100 mil.

De acordo com nota divulgada pela corporação, Andressa teria incorrido no Artigo 333 do Código Penal, que trata do crime de corrupção ativa. O suborno, de acordo com a PF, seria para obter do magistrado uma decisão favorável ao marido, que está preso desde o dia 29 de fevereiro. Além da condução dela, a Polícia Federal também cumpriu mandado de busca e apreensão na casa dela. Foram recolhidos dois computadores, documentos e dois tablets.

Andressa Mendonça também foi convocada a depor na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira no próximo dia 7 de agosto. Será o primeiro depoimento a ser prestado à CPMI após o recesso parlamentar.

Carlinhos Cachoeira foi preso no dia 29 de fevereiro deste ano, pela Operação Monte Carlo da PF, acusado de comandar a exploração de jogo ilegal em Goiás. A prisão ocorreu oito anos após após a divulgação de um vídeo em que Waldomiro Diniz, assessor do então ministro da Casa Civil, José Dirceu, lhe pedia propina. O resultado foi a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos e na revelação do esquema conhecido como mensalão.

(Com informações de Edson Luiz e Agência Brasil)

Deixe um comentário

(Digite os números abaixo)

Desenvolvido por Claudio Correia - Adm