A farsa de Cachoeira para tentar sair da prisão

O contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, está preso desde 29 de fevereiro, acusado de liderar uma quadrilha que explorava o jogo do bicho e máquinas de caça-níquel no estado de Goiás. Seus advogados já ingressaram na Justiça com nada menos que doze pedidos para libertá-lo. Todos foram negados pelos tribunais. A última tentativa de tirá-lo da cadeia foi uma manobra desesperada da mulher, Andressa Mendonça.

Segundo o juiz Alderico Rocha Santos, responsável pelo caso, Andressa procurou-o em seu gabinete em 26 de julho. Foi atendida na presença de testemunhas até que, a certa altura, sob o pretexto de tratar-se de “assuntos íntimos”, pediu uma conversa a sós com o juiz. A sala foi esvaziada. O juiz diz que naquele momento Andressa tentou intimidá-lo, falando da existência de um dossiê que comprometeria sua reputação. Em troca da liberdade do marido, ela impediria que o dossiê viesse a público. Pela ameaça ao juiz, Andressa foi detida e levada à Polícia Federal em Goiânia. Ela nada disse aos policiais. Pagou 100 000 reais de fiança e foi libertada.

A atitude desesperada e ilegal de Andressa foi decisiva para que o advogado Márcio Thomaz Bastos, ex-ministro da Justiça, abandonasse a defesa de Cachoeira. “A relação entre cliente e advogado já não estava boa. O episódio da chantagem foi a gota d’água”, disse Bastos. O juiz Alderico Rocha poderia ter prendido a mulher do contraventor em flagrante, mas não o fez por ter ficado em dúvida “se a conduta caracterizava crime ou não tendo em vista que não houve oferta de pagamento”. O pedido de prisão partiu de outro juiz federal, a quem Rocha narrou o episódio.

Segundo Rocha, Andressa disse que o dossiê comprometedor seria publicado por VEJA. Trata-se de óbvia e claudicante calúnia. VEJA não faz e não publica dossiês. O departamento jurídico da Editora Abril, que edita VEJA, busca esclarecimentos sobre a farsa com vistas a processar seus responsáveis. É a segunda vez nos últimos meses que a revista é vítima de ataques desse tipo. Obscuros parlamentares ligados aos réus do mensalão tentaram criminalizar o trabalho de um jornalista da revista que teve Carlos Cachoeira como fonte de informação. Os policiais federais e os procuradores que investigaram Cachoeira, porém, foram unânimes em descrever as conversas do jornalista com o contraventor como contatos legítimos entre “jornalista e fonte”.

(Veja)

Silêncio comprometedor

Andressa: calada?

Andressa Cachoeira, mulher do bicheiro Carlinhos, deve ficar muda no depoimento marcado para terça-feira na CPI. Foi o que adiantou o seu advogado, José Gerardo Grossi, ao relator Odair Cunha.

Pode se dar mal. Diz Cunha:

- O seu silêncio significa a confissão de que ela pertence à organização criminosa.

(Por Lauro Jardim)

Deixe um comentário

Nota do moderador: Comentários preconceituosos, racistas e homofóbicos, assim como manifestações de intolerância religiosa, xingamentos, ofensas entre leitores, contra a publicação e o autor não serão reproduzidos. Não é permitido postar vídeos e links. Os textos devem ter relação com o tema do post. Não serão publicados textos escritos inteiramente em letras maiúsculas. Os comentários reproduzidos não refletem a linha editorial do site.

Desenvolvido por Claudio Correia - Adm