Inclusão produtiva: Governo do Amapá lança programa Pro-Extrativismo

O governador do Amapá, Camilo Capiberibe, lançou nesta quarta-feira, 5, no auditório do Pavilhão Internacional de Oportunidades de Negócios da 49ª Expofeira Agropecuária, o programa Pro-Extrativismo. A ação, que contará com o investimento do governo estadual, até 2014, na ordem de R$ 27 milhões, consiste fomentar a cadeia dos três principais produtos extrativistas do Amapá: açaí, castanha-do-brasil e cipó-titica. Aproximadamente 10 mil trabalhadores do setor serão beneficiados.

Segundo o titular da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural (SDR), Paulo Nunes, o programa fortalecerá e fomentará as cadeias de produtos amapaenses e gerar riqueza para produtores extrativistas do Estado. O secretário explicou que serão utilizados recursos de fundos federais e estaduais, incluindo de programas como o Programa Territorial de Agricultura Familiar (Protaf), Fundo de Desenvolvimento Rural do Amapá (Frap) e Fundo de Apoio ao Microempreendor e ao Desenvolvimento do Artesanato do Amapá (Fundmicro).

IEFPor sua vez, a presidente do Instituto Estadual de Florestas (IEF), Ana Euler, ressaltou que o Pro-Extrativismo é uma política concreta de inclusão produtiva.

Os representantes do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Manoel Vilhena e do Ministério do Meio Ambiente (MMA), João Dangel, estiveram presentes na solenidade. Ambos elogiaram a política de desenvolvimento econômico para o setor produtivo do Amapá e afirmaram que o governo federal apoiará o governador Camilo Capiberibe no que for necessário para a implementação do programa.

Responsabilidade e compromisso para o desenvolvimento das cadeias do Amapá

O governador destacou que, além do recurso proveniente do tesouro estadual, irá buscar, junto ao governo federal, verbas para investir para a estruturação do Arranjo Produtivo Local (APL).

Entre os possíveis investimentos, Camilo Capiberibe destacou o Fundo Amazônia, recurso financiado pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e visa promover projetos para a prevenção, combate ao desmatamento, conservação e o uso sustentável da Floresta Amazônica.

“O açaí é um dos quatro produtos mais exportados pelo Amapá, juntamente com ouro, ferro e cavaco. Já a castanha-do-brasil e o cipó titica possuem grande potencial que nós precisamos explorar e dar condições de trabalho para nossos extrativistas. Portanto, o Pro-Extrativismo é uma política clara e efetiva para fortalecer essas cadeias produtivas. Desta forma, geraremos mais empregos e mais dinheiro para o povo da floresta”, afirmou o governador.

“Investiremos R$ 27 milhões do Estado neste programa até 2014, e estamos demandando junto ao BNDES, por meio do Fundo Amazônia, mais R$ 24 milhões para o setor produtivo do Amapá”, garantiu o governador.

Agradecimento e apoio
Durante o lançamento, a presidente da Federação dos Trabalhadores Agrícolas do Amapá, Eunice Silva, agradeceu a iniciativa do governador Camilo Capiberibe. Ela garantiu que os extrativistas farão sua parte para o sucesso do programa.

O lançamento do Pro-Extrativismo abriu o Dia da Sociobiodiversidade, que faz parte da programação da 3ª Reunião da Câmara Setorial da Sociobiodiversidade do Amapá. Na ocasião, governo, especialistas no assunto e sociedade civil dialogam sobre políticas públicas de implementação de manejo, escoamento da produção e mercado para os produtos da sociobiodiversidade.

Elton Tavares/Secom

Deixe um comentário

Nota do moderador: Comentários preconceituosos, racistas e homofóbicos, assim como manifestações de intolerância religiosa, xingamentos, ofensas entre leitores, contra a publicação e o autor não serão reproduzidos. Não é permitido postar vídeos e links. Os textos devem ter relação com o tema do post. Não serão publicados textos escritos inteiramente em letras maiúsculas. Os comentários reproduzidos não refletem a linha editorial do site.

(Digite os números abaixo)

Desenvolvido por Claudio Correia - Adm
Iniciado em 16/07/2012